Como registrar o eletrocardiograma ?

Amplamente difundido e disponível, o eletrocardiograma para ser corretamente analisado, precisa utilizar padrões rigorosos durante o seu registro. Posicionamentos inadequados dos eletrodos exploradores, calibrações malfeitas, aterramentos ruins, entre várias outras questões, podem atrapalhar o seu registro, e muitas vezes levar à erros no diagnóstico.

No registro eletrocardiográfico, utilizamos dois planos para a análise espacial da atividade elétrica do coração, o plano frontal ( registrado a partir dos eletrodos colocados nos braços e nas pernas ) e o plano horizontal ( registrado a partir dos eletrodos colocados na superfície do tórax, em pontos anatomicamente definidos ).

Para o registro do plano frontal, o simples posicionamento dos eletrodos destinados aos membros superiores e inferiores, direito e esquerdo, respeitando as marcações gravadas nos aparelhos, permite facilmente a sua documentação.

Para o plano horizontal, também conhecido como plano precordial, referências anatômicas precisam ser obedecidas, permitindo o registro da atividade elétrica do coração a partir daquela perspectiva, a saber :

  1. Eletrodo V1, colocado no quarto espaço intercostal, na linha paraesternal direita
  2. Eletrodo V2, colocado no quarto espaço intercostal, na linha paraesternal esquerda
  3. Eletrodo V3, não possui posição anatômica definida, deverá ficar ao meio do caminho entre o eletrodo V2 e V4
  4. Eletrodo V4, colocado no quinto espaço intercostal, na linha hemiclavicular esquerda
  5. Eletrodo V5, colocado no quinto espaço intercostal, na linha axilar anterior
  6. Eletrodo V6, colocado no quinto ou sexto espaço intercostal ( deve ficar em linha reta com o V5 ), na linha axilar média

Adaptado de João Tranchesi – Eletrocardiograma normal e patológico : Noções de vetorcardiografia

Erros na colocação dos eletrodos podem levar à erros diagnósticos, não são infrequentes documentação de falsos bloqueios de ramo ( como ocorre com o posicionamento muito alto dos eletrodos de V1 e V2 ), falsos desvios do eixo elétrico ( como ocorre quando há inversão dos eletrodos dos membros superiores entre um lado e outro ), entre vários outros problemas.

Quanto ao aterramento, aparelhos ligados a fontes elétricas externas, podem ter sua linha de base e filtragem do registro alterados, prejudicando a análise por artefatos ou mesmo registrando atividades elétricas espúrias.

Problemas na calibração também podem atrapalhar a análise. Aparelhos mal calibrados podem causar deslocamentos do segmento ST, angulações da linha de base, distorções gráficas nos registros, entre outros.

Como registrar o eletrocardiograma ? Seguindo a padronização clássica para o posicionamento dos eletrodos, garantindo uma adequada manutenção e calibração do seu aparelho e se certificando de a rede elétrica possuir um adequado aterramento.